Clínicas

Processo de cicatrização

Processo de cicatrizaçãoUma das principais preocupações de quem deseja fazer uma cirurgia plástica é a cicatriz final. Frequentemente, o aspecto estético é o fator mais importante utilizado por pacientes, e mesmo médicos, para se julgar o resultado de um procedimento cirúrgico. A aparência da cicatriz pode variar dependendo da técnica cirúrgica utilizada, assim como da localização corporal e predisposição individual.

A cicatriz surge com a evolução natural da cura de ferimentos e cirurgias. Esse processo costuma ser demorado. Somente após 1 ano é possível saber como ficou seu formato definitivo. A cicatriz ideal é uma linha fina, ao nível da pele, quase imperceptível, que se mistura com vincos ou marcas naturais.

A pele jovem, quando comparada com a do idoso, tende a determinar cicatrizes maiores e mais espessas. Já as peles negras e morenas tendem a evoluir para a formação de quelóides, ou seja, cicatrizes com dimensões maiores que o ferimento ou corte que as produziu. A ação do Sol também afeta a ferida em fase de regeneração, deixando-a escura. Outros fatores como fumo e estresse podem interferir nesse processo. Sabe-se, ainda, que algumas partes do corpo apresentam forte tendência para a formação de marcas inestéticas. São exemplos os locais de constante movimento, como mandíbula, ombro, braços e pernas.

Embora não se consiga eliminar uma cicatriz por completo, felizmente existem diversos tratamentos que podem ser utilizados, associados ou não, para aprimorar sua aparência. A maioria deles podem ser feitos no consultório dermatológico com anestesia local. E, em muitos casos, o planejamento cirúrgico e a prescrição de medicamentos específicos minimizam a necessidade de posterior correção da cicatriz.

A melhor alternativa para se obter uma boa cicatrização – nos casos em que não forem comprovadas deficiência nesse processo – é o repouso. Em geral, quando o paciente segue as orientações do médico o resultado é uma cicatriz esteticamente agradável.

no responses

Auto-exame da pele

Auto-exame da peleExaminar a pele do corpo com regularidade é importante para se detectar precocemente o câncer de pele.

O auto-exame da pele é um método simples e pode ser feito em seis passos:

Como fazer?

 

  • Em frente a um espelho, com os braços levantados, examine seu corpo de frente, decostas e os lados direito e esquerdo;
  • Com o auxílio de um secador de cabelo, examine todo o couro cabeludo;
  • Dobre os cotovelos e observe cuidadosamente as mãos, antebraços, braços e axilas;
  • Examine as partes da frente, detrás e dos lados das pernas, além da região genital;
  • Sentado, examine atentamente a planta e o dorso dos pés, assim como entre os dedos;
  • Com o auxílio de um espelho de mão e de uma escova ou secador, examine o couro cabeludo, pescoço e as orelhas;
  • Finalmente, ainda com o auxílio do espelho de mão, examine as costas e as nádegas.

 

O que procurar?

  • Sinais ou pintas que mudam de tamanho, forma ou cor;
  • Feridas que não cicatrizam;
  • Feridas com aspecto de verruga ou casca;
  • Nódulos brilhantes ou perolados;
  • Cicatrizes sem história de trauma.

 

Existe um método, utilizado pelos dermatologistas, para identificar os sinais perigosos – chamado Regra do ABCD. Consiste na avaliação da lesão suspeita quanto as seguintes características:

 

A – Assimetria: simétrica (sugestivo de benignidade), assimétrica (sugestivo de malignidade);

B – Borda: borda regular (sugestivo de benignidade), borda irregular (sugestivo de malignidade);

C – Cor: tom único (sugestivo de benignidade), dois tons ou mais (sugestivo de malignidade);

D – Dimensões: menor que 6mm (sugestivo de benignidade), maior de 6mm (sugestivo de malignidade).

 

Em caso de lesão suspeita procure o seu dermatologista. O diagnóstico precoce é fundamental para a cura do câncer de pele.

 

 

no responses

Cuidados com o Sol

O Sol é fundCuidados com o Solamental para a nossa saúde. Porém, a exposição exagerada aos raios ultra-violeta (UV), que são parte de seus componentes, provoca o envelhecimento cutâneo precoce e, além disso, pode levar ao desenvolvimento do câncer de pele.

Para manter-se saudável e evitar doenças é importante expor-se ao Sol, mas tomando sempre as precauções necessárias:

  • Use filtro solar diariamente. Aplique 30 minutos antes de sair e reaplique a cada 2 horas, mesmo em dias nublados. Escolha o seu protetor solar de acordo com o seu tipo de pele.A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda no mínimo FPS 15. E dê preferência aos protetores solares que bloqueiam tanto os raios UVB quanto os UVA;
  • Evite exposição solar no horário entre 10h e 16h. Neste intervalo, há maior intensidade de radiação ultravioleta;
  • Proteja-se durante todo o ano, e não só no verão;
  • Prefira usar vestimentas (camisas, bonés, shorts) com proteção solar;
  • Cuidado com a luz refletida. A luz do Sol reflete na areia, na neve, no concreto e na água, atingindo a pele, mesmo na sombra;
  • Evite exposições prolongadas e repetidas ao Sol. Os efeitos da radiação solar são cumulativos, ou seja, os danos causados na pele vão se sobrepondo e tornam-se mais evidentes após os 30 anos;
  • As crianças precisam ainda mais de proteçã Até os seis meses de idade evite exposição direta ao Sol;
  • Nas crianças recomenda-se o uso do protetor solar a partir de 6 meses de idade.Entre 6 meses e 2 anos, deve-se preferir o uso de protetores solares específicos para crianças, por conterem em sua formulação filtros físicos;
  • Queimaduras solares na infância e na adolescência aumentam o risco de câncer de pele no adulto;
  • Durante a gravidez, o uso de protetor solar é seguro e importante na prevenção do melasma;
  • Use também protetor solar labial (reaplique a cada 2h) e óculos escuros com lentes com proteção UV;
  • Os cuidados devem ser maiores em grandes altitudes e em climas tropicais, porque as radiações solares são mais intensas nessas áreas;
  • Prevenir ainda é o melhor remédio!

Em caso de dúvida, consulte seu dermatologista.

 

no responses

Rejuvenescimento facial

Rejuvenescimento facialO rejuvenescimento facial é o ato de prevenir ou tratar o envelhecimento da face.

 

Com a idade, temos perda da elasticidade da pele com queda dos tecidos: pele, músculos e gordura.

Outros fenômenos que contribuem para a aparência envelhecida são o crescimento das cartilagens e a absorção óssea.

Como as todas as alterações ocorrem simultaneamente, a tendência mundial é do tratamento global da face.

Os  3R’s permitem o rejuvenescimento global da face

Primeiro R: Renovar a pele

 

Renovar a pele significa tratar as manchas que se formam ao longo dos anos (principalmente pela exposição solar), atenuar as rugas mais superficiais e recuperar a maciez e o brilho do rosto. As técnicas mais indicadas são os peelings químicos, de Cristal e os lasers.

O Laser de CO2 Fracionado, além de causar a renovação da epiderme, ele estimula a formação de colágeno na derme, determinando uma melhora inclusive na flacidez da pele. Por atingir áreas mais profundas, o resultado é mais duradouro podendo chegar a até cinco anos.

 

Segundo R: Relaxar os músculos

 

As rugas dinâmicas ou rugas de expressão se formam pela ação dos músculos durante a mímica facial.

toxina botulínica (popularmente conhecida como Botox®) é o tratamento mais eficaz, pois atua relaxando a musculatura desejada, suavisando as rugas já existentes e prevenindo a formação de novas rugas.

 

Terceiro R: Recuperar o volume e Redefinir os contornos faciais

 

Como conseqüência do envelhecimento, ocorre a degradação do ácido hialurônico natural da pele.

Com o tempo o rosto perde volume e contorno.

Surgem as rugas estáticas e os sulcos se tornam mais profundos.

 

Os procedimentos recomendados neste caso são:
  • Preenchimento com ácido hialurônico, que repõe volume perdido e preenche os sulcos
  • Sculptra que estimula a formação natural do próprio colágeno (proteína que constitui os tecidos de sustentação da pele) e remodela a face.
  • Fios de sustentação que diminuem a queda da pele
  • tecnologias como a radiofrequência e infravermelho que melhoram profundamente a queda do tecido e diminuem a flacidez

 

Em conjunto estas técnicas permitem que se atinja o

conceito de Harmonização facial.

O objetivo da harmonização é recompor a perda de volume com a Revolumerização Facial, feita com ácido hialurônico, e que vai muito além de um preenchimento.

Em seguida diminui-se a flacidez e recupera-se o contorno facial com técnicas de preenchimento como a do MD CODES

Utiliza-se tecnologias para se obter o skintightening que é a contração da pele, efeito esse conseguido com o laser de CO2 fracionado.

Outras tecnologias atuam profundamente com recuperação do colágeno profundo e com ação sobre a musculatura facial

Um rosto jovem não é apenas livre de rugas,

possui volume, contornos bem definidos, luminosidade e uniformidade.

Portanto, o rejuvenescimento facial deve ser tridimensional.
Considerar o tratamento do rosto em sua totalidade.
O resultado será um rejuvenescimento com equilíbrio, naturalidade e harmonia.
no responses

Envelhecimento cutâneo facial

Envelhecimento cutâneo facialCom o aumento da espectativa de vida, cada vez mais as pessoas buscam entender e ratardar o processo de envelhecimento. A pele, por ser um órgão exposto, é o local onde esse processo se faz notar mais facilmente.

O envelhecimento cutâneo pode ser classificado em dois tipos: envelhecimento intrínseco e extrínseco.

O envelhecimento intrínseco, também conhecido como cronológico, é o decorrente do desgaste natural do organismo, causado pelo passar dos anos. As alterações desse processo são mais sutis (quando comparado com o envelhecimento extrínseco), têm diferenças inter-raciais e sua base é genética.

O envelhecimento extrínseco é causado por fatores ambientais, principalmente a radiação ultra-violeta (UV) – por isso também é chamado de fotoenvelhecimento. O impacto da radiação UV leva a alterações muito mais expressivas, como rugas pronunciadas, manchas, espessamento da pele, lesões pré-malignas e câncer de pele. Os efeitos dessa radiação são cumulativos – e é imprescindível que a fotoproteção se inicie precocemente, uma vez que 80% de toda radiação solar que recebemos durante a vida ocorre nas primeiras duas décadas. Outros fatores, como o tabagismo e o estresse, também corroboram com esse processo.

Além de todas essas mudanças na superfície cutânea como manchas e rugas finas, as mudanças dos tecidos subcutâneos tem grande impacto no envelhecimento da face. Durante esse processo, ocorre uma perda do volume das estruturas faciais: diminuição do colágeno, flacidez muscular, perda da gordura e reabsorção óssea. Esses fatores levam a uma perda da sustentação normal da face, e os tecidos tendem a “cair”, formando sulcos, rugas profundas, flacidez do contorno facial e áreas de concavidade. Para restaurar o aspecto jovial, todos esses fatores devem ser considerados durante o tratamento, pois uma abordagem global da face levará a resultados mais satisfatórios e naturais.

no responses

Olheiras

Informações e dicas sobre olheiras - DermatologiaA hiperpigmentação periocular, conhecida como olheira, possui diversas causas, dentre elas a predisposição genética, o aumento da melanina (pigmento escuro) na área das pálpebras, o sombreamento decorrente de flacidez e excesso de pele e, até mesmo, o avanço da idade – que contribui para que a pele nessa região fique mais fina, tornando visíveis os vasos embaixo dela. Outros fatores podem agravar ainda mais essa hiperpigmentação, como: noites mal dormidas, cigarro, excesso de bebidas alcoólicas, café e o período menstrual, pois estimulam o fluxo sangüíneo e dilatam os vasos da região.

Dependo da causa, as olheiras são classificadas em três tipos: vasculares, provenientes da dilatação dos vasos; pigmentares, que aparecem pelo excesso de melanina; e as bolsas profundas ou sulcos palpebrais, que dão um aspecto de “olho cansado”.
As olheiras podem, ainda, ser momentâneas, decorrentes de horas insuficientes de sono, ou crônicas, sempre presentes.
A primeira vai embora com um bom descanso, simples assim. Por outro lado, a segunda exige maior trabalho para ser banida.

Diversos tratamentos têm sido propostos: despigmentantes tópicos, peelings químicos, preenchimento com ácido hialurônico, laser de CO2, Luz Intensa Pulsada, dermoabrasão, dentre outros.

A escolha terapêutica vai depender do tipo de olheira; lembrando que a fotoproteção é indispensável para o sucesso do tratamento.

no responses

Recomendações pós Botox

  1. Recomenda-se ao paciente não massagear a região tratada logo após a aplicação;
  2. Evitar realizar exercícios físiscos durante as primeiras 4 horas após a aplicação;
  3. É recomendável manter-se em posição vertical e não deitar durante as primeiras 4 horas após a aplicação;
  4. Pode-se notar o aparecimento de um pequeno halo de vermelhidão ou inchaço ao redor dos pontos de aplicação logo após a realização do procedimento com Botox. Esta é uma reação do organismo decorrente do trauma de qualquer injeção, que regride espontaneamente nas primeiras horas, sem necessidade de tratamento específico;
  5. Sensação de dor de cabeça também pode ocorrer após a aplicação de Botox, porém tende a ser de intensidade leve. Esta sensação pode estar relacionada com o trauma da injeção ou ao estado de ansiedade antes, durante e depois do procedimento. Este sintoma costuma regredir espontaneamente.
Ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado!
no responses
Destaques